terça-feira, 18 de setembro de 2012

Ele há dias de sorte....

8 comentários:

isa ludovino disse...

Quem não participou não consegue perceber as emoções que transbordaram naquele ato cívico e genuinamente democrático! Ás vezes não devíamos comentar ou troçar daquilo que não sentimos de perto!

Isabel I disse...

Há dias de sorte? Para quem? Para o povo português não,de certeza!

João, disse...

Claro que há dias de sorte! Eu poderia aqui nomear uma lista quase infinita de “gente” que tem tido sorte com esta “demo cracia”. Não sei é se podem ser considerados “povo”, mas o que sei é que foi o povo que os elegeu, que os deixou fazer quase tudo sem pedir contas, a maioria das vezes ainda, retribuindo com um novo voto de confiança, e, muitas palminhas.

Respeito os manifestantes, reconheço que o “manifestar” é um direito democrático, mas creio que não é não o único. Meio milhão de manifestantes não pode, nem deve, por em causa aquilo que foi o voto livre dos portugueses há cerca de um ano, e, os portugueses, também não devem andar a mudar de opinião ao sabor do vento, digo eu...

Eu já vivi grandes manifestações, estive presente em algumas delas (e não serão aquelas que Isabel Ludovino imagina), desde as de apoio a Salazar no Terreiro do Paço em prol da guerra colonial, das “nacionalizações”, “unicidade sindical”, da Fonte Luminosa, por exemplo; e outras, tais como na Ponte 25 de Abril. Já vivi aquilo que muitos dos instigadores manifestantes de agora, pensavam nessa altura, e, sei qual foi a resposta dos portugueses em eleições. Também sei, por experiência, que nem sempre a maioria é ruidosa.

Acho ainda, que o exercício democrático e de cidadania não se podem esgotar em eleições de 4 em 4 anos, ou em expiar os “pecados” numa manifestação de boas intenções, e, utilizando “cartazes ordinários” que deveriam envergonhar, se mais não fosse os professores!

A democracia tem que ser alimentada diariamente, e feita por democratas, através de um controlo rigoroso daqueles que mais não têm feito que, aproveitar o pouco proveito desta forma de exercer o direito democrático.

Eu não tenho dúvidas que há dias de sorte para muitos! A lista é grande, mas aqui deixo alguns da minha estimação: José Sócrates e Armando Vara (que numa escuta telefónica em 2009 diziam um ao outro “temos 2 anos para sacar tudo o que for possível”); António Guterres (por pensar que estava num país rico ou, que tinha chegado ao paraíso); Dias Loureiro, Oliveira Costa e Rendeiro (responsáveis por uma das maiores burlas ao povo português); Vítor Constâncio (que não deu por nada enquanto responsável do Banco de Portugal); Durão Barroso (que traiu a confiança dos portugueses e qualquer dia aparece aí como um anjinho a queres ser presidente desta república das bananas); e por a lista já ir longa termino, antes que acrescente aqui os maiores de todos: cavaco e soares.

Para estes sim, A SORTE TEM SORRIDO...

Nota: Se quando chegar a hora de julgar, tiver que acrescentar à lista o coelho, o portas (esse há muito que faz parte da minha lista), e o gaspar, também o farei. Por agora conviria que estivéssemos todos atentos e exerceremos um controlo apertado a estes eleitos pelo povo, a quem só voto deve derrubar, e, não as manifestações por mais justas que sejam.


Catarina disse...

Não consigo deixar de comentar que há temas que me parecem fazer mais sentido num blog pessoal do que num partilhado, e cujo tema é Marvão

Não leve a mal, é a minha opinião.

alberto freixo disse...

Pois é!
Quando a opinião diverge da sua, é já um problema, aplica-se o famoso lápis.
A Catarina está cheia de razão.

João, disse...

Olhe que não Beto, olhe que não...

Conviria que lesse os Princípios deste Espaço, se deixe de ataques pessoais e esgrima argumentos.

Sempre que vier aqui discutir ideias ou opiniões não existirá “lápis”, nem para si nem para ninguém. Sempre que não respeitar estes princípios, não terá aqui lugar.

E seja adulto. Um anónimo não passa de um cobardolas.

joão bugalhão

alberto freixo disse...

Senhor João Bugalhão não andámos junto na escola, no liceu, na guerra do ultramar, nem na universidade, por isso não lhe admito este tipo de tratamento.
Quanto aos princípios:"
Este espaço nasce no seio de um grupo de Marvanenses orgulhosos do passado, atentos ao presente e preocupados com o futuro. Aberto a todos os temas, o Fórum Marvão pretende debater ideias e opiniões e fazer o seu contraditório, assente nos pilares do respeito e da tolerância. Este Blog não se identifica com qualquer formação política e os seus autores são responsáveis pelos posts e comentários publicados."
Não sou eu que estou a falhar, é o sr João Bugalhão com as suas postagens e comentários.
Pois é!
Quantos aos nomes que me chama eu mesmo lhe os devolvo sem juros.

João, disse...

Sr. “Freixo” dou aqui por encerrado este “desencontro” consigo. Até porque não fui eu que iniciei tratamentos deselegantes, tais como: “histérico”. Sinceramente, talvez que o termo “cobardolas” tenha sido exagero da minha parte, mas se compararmos, talvez não defira muito daquele que utilizou a meu respeito.

Estou em querer, pelos seus “comentários” que eu não serei o alvo predilecto e das ideias que parece defender.

Quanto aos princípios editoriais deste espaço Fórum, eles não se esgotam no texto que refere, mas sim no 1º Post aqui publicado, que aqui relembro, e que poderá confirmar no inicio deste Blog em Maio de 2008.

O que já lhe disse anteriormente continuará válido para que seja utilizador deste espaço, desde o que esteja em causa seja a “coisa pública” e não os comportamentos individuais ou pessoais de cada um.

João Bugalhão


Editorial Fórum:

“O Fórum Marvão é um espaço de debate livre e independente, criado por um grupo de amigos, que têm como ponto de partida Marvão e vão por aí…

O “Fórum Marvão” tem como principal finalidade, estimular o debate em torno do conceito “Marvão” em todas as vertentes, num concelho e num país, caracterizados por défice de análise e crítica social séria, centradas na “coisa pública”.

O “Fórum Marvão” pretende assim, debater ideias, opiniões e fazer o seu contraditório, com base no respeito e na tolerância. Aqui haverá lugar para todos os temas: da política ao desporto, da poesia à música, da vida em sociedade à sexualidade, da saúde ao consumo de drogas, do amor à felicidade, da televisão à literatura, etc., etc. A excepção, será o “ataque ou ofensa pessoal”.

O “Fórum Marvão” é um espaço de Liberdade, um dos valores que consideramos fundamentais, apenas superado pelo da Justiça. Sem Justiça a vida em sociedade não faz sentido e uma sociedade sem Justiça, torna-se uma sociedade ao sabor dos mais fortes e dos mais poderosos. Os outros valores que aqui gostaríamos de ver estimados são: o respeito pela Pessoa, como valor em si mesmo; a Dignidade; a Tolerância; a Igualdade; a Amizade; a Fraternidade; a Coragem; e alguma Democracia.

O “Fórum Marvão” não pretende ser um espaço de intelectuais perfeccionistas, aqui todos poderão entrar desde que se identifiquem e respeitem as ideias dos outros, mesmo que com elas não concordem. Pretende-se, essencialmente, um espaço aberto e de troca.

O “Fórum Marvão” não pretende roubar, copiar, nem fazer mal a ninguém. Este espaço, embora simples, terá que valer por si. Ou então morrerá, tal como nasceu, sem deixar bens nem dívidas aos seus herdeiros.

O “Fórum Marvão” não se identifica com qualquer formação política e a responsabilidade das opiniões aqui expostas serão dos seus autores.

O “Fórum Marvão” brinda ao futuro…”