quinta-feira, 12 de abril de 2012

Fui Contrabandista....

7 comentários:

João, disse...

Aqui está um grande contributo cultural para a história recente da minha terra.

Fico é com uma duvidazita, através da argumentação usada pela Isabel, num dos comentários lá atrás, se este tipo (de cultura), se enquadra na “esquerda” ou na “direita”?...

Isto até daria para uma boa discussão: O que é a direita ou a esquerda actualamente?...

Helena Barreta disse...

O que eu gostava de ouvir as histórias dos "contrabandistas", contadas pelos próprios, nas noites quentes aí do Alentejo.

Tany disse...

nem esquerda nem direita, é história e sao raizes do que somos :) nem tudo tem de ter politicas!

Isabel I disse...

Está muito enganada, tudo é política. Estas histórias, então, de contrabando, vidas difíceis e duras, de medo e risco permanente, têm tudo a ver com política.

Tany disse...

NÃO! Não esotu enganada Isabel I
Para mim, tem tudo a ver com necessidade e sobrevivência e NÃO com politicas e lavar de roupa suja, que é so ja o que se ve por aqui.. os meus pais vem de familias pobres, trabalhadoras e humildes e.. contrabandistas! Pois é...

nando disse...

O termo política é derivado do grego antigo πολιτεία (politeía), que indicava todos os procedimentos relativos à pólis, ou cidade-Estado. Por extensão, poderia significar tanto cidade-Estado quanto sociedade, comunidade, coletividade e outras definições referentes à vida urbana.
(tirei do wikipédia)

Portanto obviamente que sim, a questão do contrabando, dizendo respeito à vida de uma comunidade, é política.
Ver a palavra política ligada apenas aos governantes e suas acções é não perceber sequer o seu significado

Não acredito é que a questão se veja em esquerda ou direita, até porque as convições hoje em dia valem cada vez menos. Mas enfim, se pensarmos bem, o contrabando teve a sua maior pujança nos tempos da ditadura...de extrema direita

Tempos complicados em que por exemplo um agricultor como eu nunca poderia ter estudado ou julgar-se informado das coisas

Tany disse...

"que indicava todos os procedimentos relativos à pólis, ou cidade-Estado(...) cidade-Estado quanto sociedade, comunidade, coletividade e outras definições referentes à vida urbana. (...)"

Pois é... pena que na MINHA opinião continue a achar que o Contrabando É uma questão de sobrevivência e necessidades que os povos raianos, mais concretamente os dos lugares pequenos e não os da Urbe foi (infelizmente) uma forma de vida da qual fizeram parte TODOS aqueles que não podiam estudar para doutores...

Mas lá está, são opiniões... Se há quem julgue esta questão ser politica: Boa!
E se ha quem pense o oposto: Boa!

Viva a democracia então :D