terça-feira, 11 de outubro de 2011

Elá! Mas até agora as Entidades não diziam que “não havia pedidos para exploração mineira”?

De acordo com Nuno Vaz da Silva, em comentário no Facebook da «SOS São Mamede», “Na DGES (Direcção-Geral de Energia e Geologia) - mapa de concessões mineiras (site da internet - mapa em MsExcel acessível para qualquer cidadão), existe um pedido (a acreditar na informação publicada), em apreciação da empresa BERALT TIN & WOLFRAN, PORTUGAL, S.A. para a pesquisa e extracção de vários minérios (Urânio, Tório, Estanho, Tungsténio, Lítio, Bário, Cobre, Chumbo, Zinco, Ouro, Prata e Fósforo) nos concelhos de Nisa, Castelo de Vide e Marvão.


Terá alguma relação com as alegadas pistas para prática de BTT que estão a ser cercadas em Marvão?”

No concelho mais pequeno em área do país e numa área de Parque Natural, as imagens que se seguem têm passado ao lado das autoridades do país, nomeadamente, do presidente da Câmara e do Parque Natural da Serra de São Mamede!!!














































































8 comentários:

Miguel disse...

Este pedido é de 25.1.06 e diz respeito à jazida "Maria Dias", no Monte Claro, em Nisa (228,5 Km2). O interesse principal seria o urânio.O processo estagnou em 2008, quando já só faltavam os cadernos de encargos, por vários motivos, entre os quais a baixa da cotação do urânio. Acescento que esta jazida faz parte de uma crista rica nestes minérios que se estende por Marvao, Castelo de Vide e Nisa.
Penso que nada tem a ver com o "nosso" problema.
Miguel Teotónio Pereira

Van Krieken disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Van Krieken disse...

Embora não seja usual, decidi tornar público algumas das questões que estou a enviar a vários dos responsáveis pela destruição do Parque Natural em Marvão.

Bill Goulding é o responsável pelo design dos circuitos de bicicleta.

NOTA: Existe um conflito de interesses neste caso, entre o meu interesse pessoal e a minha função de jornalista, dado que vivo nesta área e sou afectado pela sua destruição. Mas, como jornalista, não deixo de ser um cidadão. Dado que o que está em causa é um bem público (o Ambiente), não posso censurar a minha obrigação de -- também como jornalista -- investigar a fundo a questão. Caberá ao leitor avaliar a minha independência e rigor factual. JVK

Email enviado no dia 11 de Outubro de 2011 ao Sr. Goulding, com conhecimento a vários executivos das empresas do Sr. Ken Dart, nas ilhas Cayman:


Mr. Goulding

I met you and Mr. Didier a few years ago, and introduce myself as a investigative journalist resident in Marvão. Since then, I have followed your work and Mr. Didier investments (in behalf of Mr. Dart) in this area.

When I met you, it was then clear to me that you were leading the operations in Marvão, and are responsable for the landscape design in hundreds of hectares in Marvão - supposedly for Biking.

There is also clear evidence that you are receiving instructions from Mr. Dart, as well as logistical support in USA and perhaps payments from Cayman Islands.


Several witnesses say that you are working in Portugal for several years.

As you may know, there is a important group of residents in Marvão -- now extended to a national movement -- that are against the destruction you have led in this region, destroying the landscape with high fences (2,5 meters) all around.

I invite you to see these pictures:

http://youtu.be/m64QpFFBeqY


As in Canada, also in Portugal there is a understanding that landscape and environment are a public issue and must be respected by all, independently if it is done by public or private investments.

Therefore, I have these questions for you:

1. Why do you design these biking paths surrounded by 2,5 meters fences, destroying the natural landscape of this natural park on S. Mamede, in Marvão?

2. Are you aware that you are fencing in an ecological reserve?

3. Do you have any legal permission to work in Portugal?

4. Are you aware that these fences are devaluating the important economic business of the existing tourism and the public image of Marvão?

5. Are you aware that these fences is putting in jeopardy the proposed UNESCO World Heritage site of the town of Marvão and its landscape?

6. Is Mr. Dart aware of this destruction of the landscape in Marvão?


This is a very serious issue, and public opinion needs to have clear answers, like you would like to have if somebody was destroying your neighbourhood at your home.

I understand that biking trail designers, all over the world, are receiving a complete memorandum of the fence Marvão, as well as Portuguese, American and Canadian authorities, concerning your professional activities in Portugal, so I suppose that is in your interest to make this situation clear to everybody.

Looking forward to you immediate reply

Jorge Van Krieken
Journalist
Portugal

Jorge Miranda disse...

Aqui vai traduzido rudimentarmente( o meu Inglês não dá para mais) a carta que aqui foi publicada pelo Sr Jorge Van Krieken

Mr. Goulding

Eu conheci o Sr. e Mr. Didier há alguns anos atrás, apresentei-me como jornalista de investigação e residente em Marvão.

Desde então, tenho seguido o seu trabalho e investimentos Sr. Didier (em nome do Sr. Dart) nesta área.

Quando o conheci percebi que o Sr era o responsável pelas operações em Marvão, e são responsáveis pelo projecto de alteração da paisagem em centenas de hectares em Marvão - supostamente trilhos de BTT.

Há também evidências claras de que Sr. está recebendo instruções do Sr. Dart, bem como apoio logístico nos EUA e, talvez, pagamentos de Ilhas Caymans.


Várias testemunhas dizem que o Sr. está trabalhar em Portugal há vários anos.

Como Sr. deve saber, há um importante grupo de residentes em Marvão - agora alargado a um movimento nacional - que são contra a destruição que estão a efectuar nesta região, destruindo a paisagem com cercas de altura (2,5 metros) ao redor .

Convido-vos a ver estas fotos:

http://youtu.be/m64QpFFBeqY


Como no Canadá, também em Portugal há um entendimento de que a paisagem e o ambiente são uma questão pública e deve ser respeitada por todos, independente da natureza dos projectos, sejam estes investimentos públicos ou privados.

Portanto, eu tenho várias questões para lhe colocar.:

1. Para quê projectar caminhos para a prática de BTT rodeados por cercas de 2,5 metros de altura, destruindo a paisagem natural do parque natural de S. Mamede, em Marvão?

2. O Sr. está consciente que está numa reserva ecológica?

3. O Sr. tem alguma permissão legal para trabalhar em Portugal?

4. o Sr está consciente de que estas cercas estão a desvalorizar o negócio do turismo da natureza, existentes na imagem pública de Marvão?

5. O Sr. está consciente de que essas cercas está colocando em risco a proposta UNESCO Património Mundial da vila de Marvão e a sua paisagem?

6. É o Sr. Dart consciente dessa destruição da paisagem em Marvão?


Esta é uma questão muito séria, e a opinião pública precisa ter respostas claras, como o Sr. gostaria de ter se alguém estivesse a destruir a sua vizinhança e a sua casa.

Eu entendo que os projectistas de trilhos de BTT, em todo o mundo, estão recebendo um memorando completo das cercas colocadas em Marvão, bem como as autoridades Portuguesass, autoridades americanas e canadianas, relativas à sua actividade profissional em Portugal, então eu suponho que seja do seu interesse esclarecer esta situação de uma vez por todas.

Olhos nos olhos, exigimos do Sr. uma resposta imediata

Jorge Van Krieken
Jornalista
Portugal

Van Krieken disse...

Este é o canadiano que está a liderar o desenho dos circuitos de BTT em Marvão:

http://trailheadontario.com/speakers/bill-goulding/

João Raposo disse...

Mas se há cursos de água vedados e caminhos comunitários na mesma situação, não existe legislação que permite à Câmara a ordenação imediata de derrube das mesmas?

Van Krieken disse...

Da porta-voz do Sr. Ken Dart, recebi a seguinte resposta: " no comments".

Zé Domingos disse...

Depois não se ademirem se surgir algum movimento menos civico do tipo "O GANGUE DOS CORTA ARAMES".